O que ensina o latim...

"Quod non est in actis, non est in mundo" ("O que não está escrito, não existe")

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Sofrer de Costite

Em plena campanha eleitoral, com "sondagens" batendo diariamente à nossa porta, assalta-me a seguinte questão: como é possível um Pais endividado assim, com um desemprego ainda alto e crescimento e défice pouco sustentáveis, dar como muito provável a reeleição do governo actual, cujo mandato foi carregado de medidas impopulares (muitas delas inúteis) e resultados pouco animadores?
Encontrei duas respostas possíveis.
Alternativa, sim: os calções!

A primeira é a de que, ainda no rescaldo de 2010/11, as pessoas reconheceram a necessidade dos sacrifícios feitos desde então, por força da falência financeira do Estado. Foram chamadas para pagar a assistência externa, que gerou – ela própria – novas consequências no seu rendimento e emprego (afectando-as outra vez), mas aceitaram isso, porque sabiam não haver outra hipótese. Por essa razão, um discurso cheio de promessas agradáveis ao ouvido, por parte da oposição, hoje não cola. "Traz água no bico"!
Talvez assim se explique que – como promete o PS – devolver salários e pensões, baixar o IRS, as contribuições para a Seg. Social e o IVA da restauração, contratar mais professores e médicos, construir novos hospitais e dar borlas nas estradas, senão tudo de uma assentada, perto disso, não cheire lá muito bem ao Povo.
A segunda possibilidade, entroncada na primeira, é a de que a alternativa não parece lá grande espingarda. Ao contrário do que era suposto e do que eu próprio reivindiquei, António Costa tornou-se numa figura pouco credível, de quem os portugueses se parecem ter fartado, mesmo antes de lhes ir ao bolso…
Pensarão: se é para fazer o mesmo que os outros (cujo problema é não prometerem nada...), ao menos esses têm experiência em tesourar e sabe-se o que valem (e não valem)… Se é para aventuras, o melhor é estar quieto com os outros, porque no passado foi o que foi… Ao jeito de “o Seguro morreu de velho e a Prudência foi ao seu enterro”! (E o Seguro que já nem é o António José...)
Teria sido tão mais inteligente, por parte de Costa, aproveitar o embalo do trabalho sério do Prof. Centeno, mas explicar que a sua abordagem (diferente?) na hora de fazer cortes (que os haverá inevitavelmente), do que entrar num remoinho de promessas, uma por dia, e num discurso errático de, num dia fará acordos com a direita, no seguinte não aprovará orçamentos alheios, num dia nunca cortará na Seg. Social, no seguinte "poupará" nas pensões não-contributivas, num dia renegociará a dívida, no seguinte os compromissos serão para cumprir, etc.
Ora, alguém que faz uma campanha destas terá mãos para guiar o País? E guiá-lo-á assim, aos “ss”, como faz com o seu partido?

É inquietante os eleitores terem de escolher entre o mau e o péssimo.
Quanto a mim, não sabendo ainda bem o que fazer a 4/10, agradeço desde já a António Costa ter-me riscado uma das 16 possibilidades de voto...
A "costite" é séria e não passará até lá! E não só a mim...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Ladrões de Desemprego

No meio de tanta informação e contra-informação sobre os números do desemprego, há várias coisas que me estão a escapar! E aqui venho procurar esclarecimento!


Desde quando é que estágios, mesmo que pagos pelo Estado, são desemprego?
Num estágio não se trabalha? Quase sempre até mais do que num contrato sem termo!
Ou o problema é o de ser pago pelo Estado? E a função pública é paga por quem? Também está “subempregada”, ou “desencorajada” para exercer funções?

Desde quando é que trabalho a tempo parcial é desemprego?
E o pessoal que trabalha umas horas no Verão (incl. em Agosto, quando está tudo de férias) não conta?

Desde quando é que os ditos desencorajados são desempregados?
Bem, concretamente desempregados são, mas por opção própria. É o chamado desemprego natural.
No tempo das “vacas gordas” (sim, também as houve) não havia “desencorajados”? Ou nasceram também com a troika?

Desde quando é que a emigração entra para a taxa de desemprego?
Se a emigração conta para o desemprego, então Cabo Verde tem 110% de população desempregada!
E os “desempregados” portugueses dos anos 60, que migraram para a Europa inteira?
Ou será que aqui também se tem de considerar a imigração empregada no País de acolhimento? Ah, essa não, porque estragaria as contas!
E quem me garante que todos os emigrados foram para o estrangeiro desempregados de cá? Não haverá quem tenha saído do País com ofertas melhores de trabalho?
Qualquer dia, até os reformados e os bebés no infantário entram para a taxa de desemprego!

O desemprego real, segundo os auto-intitulados ladrões

As estatísticas do desemprego até poderão estar subavaliadas. Mas 1) são publicadas por fonte estatística independente (ou o INE não é independente?) e compiladas por entidade externa (ou o Eurostat também está ao serviço do governo português?) e 2) os métodos de estimação e previsão não mudaram tanto assim, que tornem estes números incomparáveis aos de 2011 ou de 2007.
Mas parece que a tribo dos “Ladrões de Bicicletas” veio reproduzir esta cantilena.
E foram eles que me forçaram a escrever esta nota.
Porque não gosto de dar cobro a ladrões e aldrabões de verdade!


sexta-feira, 1 de maio de 2015

Democracia: melhor do que nada

No âmbito dos discursos do 25 de Abril deste ano (que andam mais ou menos sempre à roda do mesmo), retive unicamente o de Michael Seufert – um incógnito deputado do CDS-PP, com um nome esquisito, mas cheio de razão.
Celebrar o 25 de Abril não é apenas comemorar a liberdade e o exercício de direitos fundamentais de expressão e cidadania, dignidade social e económica. É também lembrar o contexto em que essa mudança se deu e o que se conseguiu e se fez de mal, desde então.


É, pois, trazer à liça o oportunismo de correntes minoritárias (civis e militares) que quiseram apropriar-se da data (como ainda hoje fazem à saciedade) e transformar uma ditadura noutra ditadura, tão ou mais restritiva. Teria sido bonito, caso o comunismo tivesse vingado. Passaríamos “de cavalo para burro”: de um cavalo colonialista, caduco e retrógrado, para um burro autoritário, violento, arbitrário e na trilha do subdesenvolvimento moral e económico (como provam os exemplos soviético e norte-coreano). Tal só não aconteceu, diga-se, não por falta de tentativa (ficou célebre o cerco à Assembleia Constituinte, em Novembro de 1975, mas outras houve, como o golpe palaciano que conduziu ao único governo comunista não-eleito (como de costume) da nossa história – o do coronel Vasco Gonçalves – e à única demissãode um Presidente da República desde a Revolução – a do general António de Spínola –, no ainda 1974), mas, sim, porque a “maioria silenciosa” se uniu para o impedir. Daí que seja a essa muita gente que hoje devemos agradecer a democracia, que se fixou desde 25 de Novembro de 1975 – data essa que convém recordar tanto como o 25/4.
E é ainda comemorar o voto livre, exercendo-o, que, mesmo não sendo garante de um regime verdadeiramente participado, é o símbolo de que o poder não está apenas nas mãos de poucos e pode ser mudado (pelo menos) ciclicamente. Passam 40 anos das primeiras eleições democráticas (ocorridas exactamente um ano após o derrube do Estado Novo, para eleger a Constituinte), em que se registou a mais baixa taxa de abstenção de que há memória (8.34%). Só isso já é qualquer coisa.


Por outro lado, ao longo destes 41 anos, o País evoluiu muito, mas os dinheiros públicos foram geralmente usados de forma displicente, senão abusiva, prejudicando (não só, mas principalmente) as futuras gerações. Prova desse abuso são as três assistências económico-financeiras de credores internacionais pós-1974: duas pelo FMI – 1977 e 1983 – e uma terceira, juntando-se ao BCE e CE – 2011-2014. Contudo, dado Portugal ser uma Nação secular, que não nasce nem morre com o surgimento ou morte de uma geração, não nos resta senão honrar esses compromissos.

«A minha geração dá [legitimamente] a democracia como adquirida», diz Seufert. Tal democracia que é muito imperfeita. Mas sempre é democracia.

quinta-feira, 5 de março de 2015

Verdadeiros direitos fundamentais

Neste rectângulo no fim da Europa, pacato e fadista, há uma tendência política que procura, à saciedade, dar um arzinho de esta ser uma terra de anarquia e revolução. Para os poucos que ainda não descobriram de qual tendência se trata, estou-me a referir à 3ª força que mais faz barulho em Portugal: o sindicalismo (a seguir ao comentário futebolístico e ao politico na TV).
Veio isto a propósito das incansavelmente repetidas greves no sector dos transportes, em particular, no Metro de Lisboa.
Só para não irmos mais atrás, na última semana, tivemos:
  • Greves na CP e na Carris ao trabalho extraordinário, de segunda a sexta-feira;
  • Greve no Metro de Lisboa, terça-feira;
  • Concentração de activistas do sector ferroviário e manifestação nacional de ferroviários, quinta-feira;
  • Greve no Metro de Lisboa na sexta-feira, desconvocada à última hora.

Mas, calma! Antes que o pessoal perca o hábito, estão já marcadas novas “jornadas de luta”:
  • Continuação da greve ao trabalho extraordinário na CP e Carris, Março inteiro;
  • Plenário e manifestação de trabalhadores da TST, 16 de Março;
  • Greves no Metro de Lisboa, 16 e 18 de Março.
Caramba, que estes tipos não se cansam!

Gostava de saber o que pensam os instigadores desta "fúria grevista" sobre os “direitos inalienáveis” (como gostam eles de dizer)… dos utentes dos transportes públicos! É que, como dito pelo Tribunal Arbitral que decretou serviços mínimos para as paralisações da semana passada no Metro, e bem assinalado por Pedro Sousa Carvalho no Público«quando o metro pára, está em causa a “liberdade de circulação das pessoas, tanto considerando o direito de circulação em si mesmo, como relacionando tal direito com o direito à saúde, o direito à educação ou o direito ao trabalho em sentido amplo (já que o exercício destes direitos depende da possibilidade de acesso a um determinado local)”».
António Borges de Carvalho assinala as razões que levam a tamanha fuga à jornada propriamente dita (a de trabalho): «As greves são exclusivo de gente de um modo geral bem paga, ou muito bem paga, cheia de prebendas e contratos malucos, que não teme despedimentos, não sente a falta dos salários nos dias de greve e só em casos extremos pode ser posta na rua».
Porque os trabalhadores do sector dos transportes públicos gozam de privilégios, mais do que injustificados, insultuosos para a maioria dos cidadãos trabalhadores neste país.
Até há não muito tempo, circulava uma folha, essencialmente referente ao Metro de Lisboa, da qual constava:
  • Secretária de administração: €3.753,59;
  • Mestre serralheiro: €2.969,30;
  • Maquinista de manobras: €2.785,17;
  • Maquinista: €2.587,25;
  • Fiscal: €2.020,66;
  • Motorista: €1.939,09;
  • Agente de tráfego: €1.642,41;
  • Desenhador: €1.547,09;
  • Auxiliar: €1.476,86;
  • Maquinistas conduzem 3h/dia e recebem entre 317€ e 475€ para abrir e fechar as portas; recebem subsídio por km percorrido, mais 68€ se faltarem menos de 5h, ou 223€, se não faltarem todo o mês;
  • Funcionários do Metro têm assistência médica gratuita ao domicílio e recebem o ordenado por inteiro nos dias de baixa;
  • Todos os trabalhadores do Metro, ao serviço ou reformados, têm direito a transportes públicos gratuitos, bem como seus cônjuges, pais, filhos, enteados e irmãos;
  • Funcionários do Metro, Carris e Transtejo reformam-se com pensão igual ao último ordenado.
Não espanta, desta forma, que o pessoal da Fectrans (Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações) marque greves «como quem faz xixi»!

  
A situação é tão mais absurda, porquanto as reivindicações dos grevistas são coisas tão genéricas como a “defesa dos serviços públicos”, da “qualidade dos serviços”, ou protestos contra os preços ou contra as subconcessões.
Como se greves amiúde no sector “defendessem os serviços públicos", os tempos de espera, a satisfação dos utentes (que lhes interessa essa parte?), reduzissem os preços e impedissem decisões de privatização.
Muito pelo contrário!
Cada vez que o Metro não anda ou que os autocarros da Carris não saem das garagens, não é o governo quem perde (já que os seus membros não são, que conste, utilizadores de transporte público urbano), mas sim os trabalhadores (que não têm capacidade de ter carro próprio, por impossibilidade económica ou motora), os idosos, os inválidos, os estudantes, etc..
Cada vez que a CP não viaja, a companhia acumula prejuízos, a juntar aos muitos crónicos que traz de continuada má gestão e de investimentos avultados nas infra-estruturas ferroviárias, o que só acelera a sua falência, empurrando-a para a previsível venda a privados.
Cada vez que a TAP não voa, a transportadora perde clientes, torna-se mais vulnerável perante a feroz concorrência internacional, tem de encerrar rotas, acumula dívidas, que, na impossibilidade de serem pagas por fundos públicos (impossibilidade jurídica – ordens da Comissão Europeia – e financeira – onde está o dinheiro para arcar com aqueles milhões?), embaratecem a empresa e, novamente, empurram-na mais rapidamente para privados estrangeiros.
E por aí fora.

Há, por isso, uma certa falta de visão da parte dos sindicalistas (felizmente, nem todos: [1] e [2]), que convocam greves e manifestações a torto e a direito, apenas por protagonismo político e interesse pessoal de “mostrar trabalho”. Activistas que, não-raro, levam a vida nessas lides, enchendo os discursos de frases feitas e reivindicações obtusas e desapropriadas.
Mas, no fim, percebe-se porque, quando se fala em privatizar essas empresas, estes protestantes profissionais ficam logo eriçados. É que, no privado, os sindicatos não se ensaiam desta maneira e com esta frequência, pois as pessoas só querem exercer o seu direito fundamental de levar a vida sem serem prejudicadas pelo sindicalismo irresponsável!

PS: A propósito, comentando o referido artigo de Pedro Sousa Carvalho no Público, um sujeito escreveu com piada: «O espanto é que estão todas as semanas a fazer greve contra o patrão e quando se fala de mudar de patrão fazem nova greve para o manter. É o problema destas paixões doentias».

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Requintes na ordinarice


Ponto prévio: Não gosto de Cavaco Silva. Faço-lhe muitas críticas, entre elas, aquele seu tique recorrente de nomear a classe política como se não lhe pertencesse. A que se junta uma infinita tentação de “sacudir a água do capote“ (como foi exemplo o episódio do "irrevogável" Portas), que em muito nos foi prejudicial, quando, nomeadamente, o governo Sócrates “encanou a perna à rã” para evitar ao limite o resgate da troika. E uma certa vaidade e altivez, bem típicas das figuras públicas portuguesas.
Mas, não obstante, respeito as suas origens e, de certa forma, admiro a maneira como subiu na vida, à custa de muito esforço e trabalho, mas também sorte que sempre é precisa.
Contudo, o que Clara Ferreira Alves veio dizer, no último Eixo do Mal, é absolutamente gratuito e grave para alguém com a sua exposição pública. Talvez um rápido olhar para si própria e para algumas pessoas que tanto estima pudesse ter evitado tal gratuitidade.

Porque requintado é pertencer à “esquerda caviar”, isto é, aquele conjunto de pessoas que, na teoria, pregam que a riqueza deve ser irmãmente distribuída por todos os cidadãos, sem critério de mérito ou necessidade, mas que, na prática, levam uma vida cheia de fausto e “requinte” (embora sem gravata), a comer do bom e do melhor, a viajar por Paris, Nova Iorque e Sydney, a frequentar as grandes salas de concertos, a comprar roupa cara, etc..
Requintado é nascer em Lisboa, ter “o rei na barriga”, incluindo uma fundação particular paga a dinheiros públicos, e passear pelo Mundo à pala do Estado, como Mário Soares, de quem CFA tanto gosta!
Requintado é ser-se primeiro-ministro e perder o norte em festas infindavelmente “animadas”, como era hábito em Santana Lopes, por quem CFA nutre uma paixão já longínqua mas de certo modo adiada!
Requintado é estar-se atrás das grades, acusado de crimes gravíssimos de ganância que lesaram o Estado e os destinos do país em largos anos, beneficiando de cargos políticos para proveito pessoal, como é o caso de José Sócrates, de quem CFA também não consegue dizer mal!
Isso sim é requintado.

Porque alguém que nasce em Boliqueime, que em novo ajuda o pai nos campos, que vem para Lisboa estudar e trabalhar, sendo bolseiro da Fundação Gulbenkian, trabalhando no Banco de Portugal, doutorando-se em Inglaterra e chegando a Professor universitário (catedrático), que é ministro das finanças, primeiro, primeiro-ministro democrática e amplamente eleito em três ocasiões (duas das quais com maioria absoluta), segundo, e Presidente da República a fazer 10 anos (eleito duas vezes em sufrágio universal e directo), finalmente, só pode, isso sim, ser um “saloio”.

Pode-se criticar Cavaco Silva, e ele tem tanto que se lhe possa apontar, mas fazê-lo jocosamente em relação às suas origens e à sua “falta de maneiras” é de um snobismo inqualificável!
Sinceramente, não sei bem se caracterizar estas declarações como uma ordinarice é muito. Mas, para sorte de Clara Ferreira Alves, e azar (ao que parece) de Cavaco Silva, tal insulto veio embrulhado em requinte.
Se alguns podem esperar ansiosamente que “Cavaco abandone o Palácio e regresse à sua marquise”, outros (senão os mesmos) podem também ansiar que tirem o microfone e a câmara da frente desta senhora.
No fundo, é isto: Clara Ferreira Alves é Clara Ferreira Alves…

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Um jardim zoológico numa loja de porcelana

É difícil ficar indiferente aos acontecimentos da última semana que conduziram o Syriza ao poder na Grécia. Trata-se de um balão de ensaio para o resto da Europa. Uma situação curiosa e interessante, apenas porque não se passa no nosso país!
De facto, não gostava de estar na posição em que os gregos estão hoje. O seu futuro decide-se agora, tudo está em jogo. A economia, a democracia, o país.

A Grécia é um caso bicudo, triplicado em relação ao nosso. Uma economia decrépita que não se consegue diferenciar, uma sociedade desregrada com as manias do século XXI, um poder político desacreditado e nepotista, problemas sociais graves, a que se junta uma atitude social pouco pacifista, que nós felizmente não temos!

Sejamos sérios: os problemas da Grécia não nasceram com a troika, apenas não foram resolvidos com esta. Vêm de trás. Vão às raízes da maneira de ser enquanto povo. Que custa a acreditar como aquela terra, mãe da sociedade moderna, da democracia como a conhecemos no Mundo civilizado, caiu na desgraça em que está!


 
O Syriza aparece num contexto de messianismo. Diria até como a última solução no quadro democrático grego. Se esta falhar, falha o regime.
A estratégia é de alto risco e tem tudo para dar errado.
Em linhas gerais, o problema, segundo eles, é este: a Grécia tem uma dívida incomportável, não a consegue pagar. Os juros que dela resultam são muitos e "sugam" recursos aos salários e à economia. A austeridade da assistência financeira apenas serviu para pagar a dívida e os juros. Sacrificou "empregos" e "direitos", o que agravou o estado já antes mau da economia.
Solução, segundo eles: não pagar as amortizações e juros da dívida, que dão cabo do "Estado social", dos "direitos" e dos "salários", soltando os tais recursos financeiros para restaurar esse "Estado social", esses "direitos" e esses "salários". Ao mesmo tempo, devolver poder de compra à população, criar “empregos” e aumentar os tais “direitos”.
Analogamente, é como um cidadão desempregado e sobre-endividado que pede um crédito por telefone à Cofidis (daqueles com juros a 20%) para comprar um iPhone 4, mas depois decide não devolver o crédito, porque os encargos são muitos e precisa do dinheiro para comprar um iPhone 5... O dito cidadão acha que, com isso, corrige o seu endividamento e arranja trabalho... Chama-se fazer asneiras com o dinheiro que não é nosso!

Não se trata de uma questão de ideologia, mas de realismo. Alguém acredita mesmo que os problemas se resolvem assim e que a Grécia vai passar a crescer como nunca antes, ninguém será atacado pelo desemprego e pobreza e "vão vir charters", resmas de “carcanhol” para investir no país?
Então e onde puseram os 177% de dívida que têm hoje (depois de um primeiro perdão em 2012) e os 250 mil milhões que receberam de credores oficiais? Por que diabo hão-de ser os outros povos europeus a arcar com os erros e fantasias da sua política (que o vão ser: só a Portugal, a Grécia deve mil milhões)?
Então e com que dinheiro as empresas vão pagar um salário mínimo 150€ maior de um mês para o outro? Estão à espera de, com isso, criar emprego ou destruir o pouco que resta?
Tsipras e Varoufakis querem trazer o Chávismo para a Europa. Uma economia estatizada, baseada no consumo, na inflação e no petróleo. Mas, se o original já é mau, imagine-se a cópia... É que, a menos que com o dinheiro do “haircut” se ponham à busca de crude no adriático, não terão alternativa senão pedir emprestado para cumprir tais loucuras. E, aí, não há quem lhes passe “carcanhol” para a mão...

O Syriza quer jogar à roleta russa. Que o faça. Mas fora do Euro. Assim, já podem imprimir Dracmas a torto e a direito; já podem subsidiar tudo e todos, fazer investimento público, descer a idade da reforma, aumentar salários e contratar funcionários públicos; já podem nacionalizar a banca, a energia, as telecomunicações, as fábricas de sapatos, botões e sabonetes; já se podem aliar diplomaticamente aos russos, bielorrussos, venezuelanos, cubanos, norte-coreanos e gente amiga do género, isto é, aos modelos de desenvolvimento mundialmente reconhecidos como bem-sucedidos!
O início desta história parece uma fábula… A aliança entre um partido de “Esquerda Radical” (é o que Syriza quer dizer) e de extrema-direita nacionalista, religiosa e homofóbica (imagine-se em Portugal: um governo BE-PNR…), os conselhos de ministros em directo na TV, os assessores despedidos e as 600 empregadas de limpeza readmitidas no Ministério das Finanças (deve haver muito lixo para varrer naquele ministério...), o salário mínimo a 750€, a electricidade à borla para 300 mil pessoas (nem precisam de desligar TV, computadores, candeeiros… o Estado paga!), o desacordo com as sanções europeias à Rússia (Putin, coitado, esse exemplo do que é defender um Povo e uma Nação!)… e, claro, a bolsa a cair 12%, os juros da dívida a disparar e as pessoas a levantarem depósitosComo escreve Paulo Ferreira, “Uma nave de loucos no meio da tempestade perfeita”.
E eu diria: não é bem um elefante numa loja de porcelana. É um jardim zoológico inteiro!

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Portuguesing


O Mundo de hoje caracteriza-se pela globalização a muitos níveis, incluindo o cultural. Do Brasil à Coreia (do Sul), quando não traduzido, ouvem-se as mesmas músicas, vêem-se as mesmas séries e filmes e comem-se até coisas parecidas. Em geral, vindos dos EUA. Já todos sabemos desta conversa. Mas, reforço, a necessidade de hoje toda a gente comunicar em inglês fez com que as outras línguas estejam, como se diz no mundo dos negócios, em processo de liquidação!
(Nisso, os franceses e os espanhóis, mal ou bem, mantêm uma marca própria, seja por convicção ou nabice para as línguas…)
Veio-me este pensamento à cabeça, ao assistir às sessões da comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES. Em particular, ao longo e inconclusivo depoimento de Ricardo Salgado (a nova designada VDT – Vítima Disto Tudo).
Fui logo repescar um vídeo que traz Zeinal Bava para as mesmas tristezas, também numa comissão de inquérito, não apenas pelo “portuguesing”, mas igualmente pelo abismo de reputação em que caiu, tanto ou quanto idêntico ao de Salgado (e por este último causado, já agora).



Parece que não é só chic, mas obrigatório, recorrer ao jargão empresarial. Se queremos ser bem-sucedidos e mostrarmo-nos na crista da onda (ou no mainstream), não podemos acabar uma frase sem meter um palavrão lá para o meio, como seja: advisory, assets, assumptions, benchmark, board, brainstorming, brand awareness, budget, business model, cash-flows, case study, CEO, CFO, chairman, coaching, core business, deadline, downsizing, EBITDA, empowerment, equity, feedback, follow-up, franchising, governance, insights, joint ventures, know-how, M&A, mainstream, market share, mentoring, network, outsourcing, pricing, procurement, project finance, sales, skills, stakeholders, start-up, stock options, upgrade ou workshop.


Concluindo, entusiasmemo-nos com os novos tempos e as oportunidades que eles oferecem, sim, mas mantenhamos uma certa identidade quando manifestarmos esse entusiasmo da boca para fora…
PS: E, por favor, não, não vamos buscar os maus exemplos vindos das altas figuras da Nação…